9 de jan de 2010

Heavy Rain, A Revolução dos Games


Todo jogador de video-game hoje em dia sabe que o futuro dos jogos é ter histórias muito mais complexas, que darão mais escolhas aos jogadores, como na vida real. Suas escolhas darão frutos a serem colhidos no futuro e muitas delas serão irreparáveis, sendo boas ou ruins.

As tramas e entrelaçamentos das histórias contadas nos games estão ficando mais complexas a cada dia, como vemos em jogos lançados neste último ano, como Fallout 3, Mass Effect 2 e Dragon Age: Origins. Todos estes jogos são rpg´s (role playing games) em que se desenvolvem conversas que nos dão escolhas de fazer o personagem principal mau ou bom. Além disso, amigos podem morrer no jogo e nunca mais voltar, o que é um aspecto muito novo para os games.

Heavy Rain: the Origami Killer vem com uma proposta que está além de tudo que já foi feito. Esse jogo, que será lançado dia 23 fevereiro, com gráficos muito acima da média, irá fazer você entrar de cabeça nele, pela intensidade dos personagens e a história contada como se fosse um filme vivido por você, aonde você faz escolhas cruciais tendo que refletir instantes e talvez perceber que tipo de pessoa você será ao tomar essas escolhas. Há um video muito interessante dessa demonstração da dimensão de sensação de realidade em uma conversa ou situação que você pode ter nesse jogo.

Clique nos links abaixo para ver o video de gameplay correspondente.

Esse aritifício será feito usando o splitscreen, nos fazendo ter a sensação de consciência da situação, que pode, por exemplo, variar em uma cena de: você sair da loja enquanto a roubam, bater no assaltante por trás com uma garrafa que você acha em uma prateleira, fazê-lo desistir de roubar a loja, deixar o dono da loja morrer, ou simplesmente dar uma de herói e tentar roubar arma.

São muitas as opções, além do clima cinematográfico e das atuações muito boas. Com tudo isto, Heavy Rain tem tudo pra ser um dos jogos do ano, mas um jogo diferente, onde se valoriza muito mais a experimentação desse universo e dessa mecânica nova de jogo do que simplesmente algo divertido.

2 comentários:

gigo.portela disse...

JESUS, ISSO NÃO É UM JOGO É A BRISA DO DOCE

Ale disse...

UOOOOOOOUUUUU Que bagulho doido! Foda mesmo!